Quinta, 04 de Março de 2021
(69) 992851851 - 993838164
Brasil Geral

Há quase 01 ano, centenas de apenados estão usando tornozeleiras com defeito ou desligadas e empresa de monitoramento não soluciona problema

Rondônia

29/01/2021 21h13 Atualizada há 1 mês
Por: Admin Fonte: comando190
400
400
Binho
MFM
 Voltar Publicada em 29/01/2021 | JI-PARANÁ - POLICIAL
 
 

“O descaso de autoridades está beneficiando centenas de apenados que estão nos regimes Aberto e Prisão Domiciliar com uso de Tornozeleira Eletrônica em todo Estado de Rondônia”, diz a denúncia que chegou até à redação do site comando190.

Atualmente, a mídia rondoniense vem registrando várias situações em que apenados que estão usando tornozeleiras eletrônicas desligadas são presos cometendo crimes. O último caso, um apenado foi morto após balear um bombeiro militar e trocar tiros com um policial militar. Durante a perícia, foi constatado que o dispositivo de monitoramento estava desligado desde Abril de 2020, deixando a sociedade à mercê de um apenado considerado de alta periculosidade.

Apenado Jean Verllé da Silva estava com a tornozeleira desligada desde Abril/20

A redação do site comando190 tentou falar com a empresa que presta o serviço de monitoramento no Estado de Rondônia, a “Akiles”, mas não conseguiu contato com nenhuma representante.

Um Policial Penal, que preferiu não se identificar, revelou que só em Ji-Paraná, há mais de 30 apenados com a tornozeleira desligada, inclusive presos do Regime Semiaberto que saiu de licença de 7 dias e a empresa não manifesta nenhum interesse em corrigir o problema. “Enquanto as autoridades continuam na inércia para resolver o problema, apenados estão soltos livremente no meio da sociedade de bem e fazendo o que bem quiser, pois quando são presos, alegam que não foram eles, pois usam a tornozeleira como álibi”, reclamou o policial.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias