Quinta, 21 de março de 2019
(69) 992851851 - 993838164
Brasil

13/03/2019 ás 19h27 - atualizada em 13/03/2019 ás 20h27

35

Admin

Rondônnia / RO

100% dos agentes penitenciários paralisam no 2º dia de greve em RO, diz Singeperon
Brasil
100% dos agentes penitenciários paralisam no 2º dia de greve em RO, diz Singeperon

No segundo dia de greve, 100% dos agentes penitenciários paralisaram as atividades em Rondônia. Isso foi o que disse Dahiane Gomes, presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários e Socioeducadores do Estado (Singeperon), na manhã desta quarta-feira (13). A categoria cruzou os braços com adesão de 70% na última terça-feira (12).





Na manhã desta quarta, os agentes se concentraram na Estrada da Penal, que dá acesso aos presídios da capital rondoniense.




Parte deles seguiram à Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE-RO) durante a tarde de terça-feira, dia em que a greve foi deliberada. Os agentes já estavam em mobilização grevista desde o dia 18 de janeiro.




O motivo do movimento é pressionar o governo sobre um acordo de realinhamento salarial que foi vetado pelo chefe do Estado, Coronel Marcos Rocha (PSL). Conforme a categoria, os funcionários estão há seis anos sem reajuste.





Segundo eles, o acordo orçamentário foi prometido por Marcos Rocha enquanto ele atuava na Secretaria de Estado de Justiça (Sejus).




Os agentes pedem também o cumprimento da recomendação de que haja um agente para cada cinco presos nas unidades prisionais. Informaram ainda que há um acordo na Justiça firmado com o governo que objetiva incorporar as gratificações ao salário base. O prazo final ao cumprimento do acordo era dia 28 de fevereiro.






 

Mobilização grevista começou no dia 18 de janeiro.  — Foto: Cássia Firmino/G1Mobilização grevista começou no dia 18 de janeiro.  — Foto: Cássia Firmino/G1

Mobilização grevista começou no dia 18 de janeiro. — Foto: Cássia Firmino/G1



"Como ontem (terça-feira) o judiciário entendeu que era ilegal o nosso movimento mesmo o estado não cumprido com a parte dele, a categoria decidiu que sairia 100% das unidades. 100% em deliberação, já que não há percentual de ilegalidade. Então não tem porquê ficar agentes penitenciários dentro dos presídios. No caso dos agentes de segurança socioeducativas, permanecem os 30% respeitando a legalidade", disse a presidente do sindicato.




Em nota, a Secretaria de Estado de Justiça (Sejus) disse que a PM montou uma estrutura em todo o estado para "atender a demanda do sistema prisional enquanto durar o período grevista" (veja íntegra).




O órgão também informou que tem se reunido com representantes da categoria desde o início da gestão do executivo. No texto, a Sejus pontua que o poder judiciário "ratificou o entendimento de ilegalidade do movimento grevista" na última terça-feira.




 



Guajará-Mirim e Nova Mamoré



 




No caso dos presídios em Guajará-Mirim (RO) e Nova Mamoré (RO), pelo menos 90% dos agentes penitenciários das unidades prisionais dos municípios não foram trabalhar.




Em Guajará-Mirim, por exemplo, dos oito agentes que estavam escalados para o plantão, apenas um cumpriu com as atividades de rotina. A segurança dos presídios está nas mãos de policiais militares.












 

 

 


 





 

 

 







 


 



 

 

 



 

 

 






 

 



 




 




--:--/--:--




 







 

 

 


 





 



Presídio de Guajará-Mirim registra diminuição de quase 90% dos agentes penitenciários



 


Ao todo, as cidades contam com cerca de 170 agentes. Com capacidade para 15 detentas, 16 ocupam as celas do presídio feminino de Guajará. Já no masculino, 206 apenados seguem presos. Porém, a capacidade da penitenciária é de 161.




O presídio masculino de Nova Mamoré contém capacidade para 40 detentos. Porém, há 103 detentos atualmente.




Veja nota da Sejus sobre greve dos agentes penitenciários:




NOTA SEJUS



FONTE: G1 RO

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium