Segunda, 18 de fevereiro de 2019
(69) 992851851 - 993838164
Brasil

12/02/2019 ás 19h27 - atualizada em 12/02/2019 ás 20h27

93

Admin

Rondônnia / RO

Famílias são retiradas de área inundada pelo Rio Madeira
geral
Famílias são retiradas de área inundada pelo Rio Madeira

Seis famílias que moram em área de risco, no Beco do Birro e no Beco da Rede, localizados no bairro Balsa na margem direita do rio Madeira, tiveram que sair de suas casas após a elevação do nível do rio Madeira no final de semana. De acordo com a Defesa Civil, essas famílias acionaram a equipe e pediram ajuda para fazer a mudança devido a aproximação da água em suas casas.


Segundo o gerente de operação da Defesa Civil, Rogério Félix, a retirada das famílias começou na sexta-feira (8). “O nível do rio Madeira deu uma subida boa e nós estamos verificando e indo até os bairros que foram atingidos e vendo as famílias que querem sair”, nformou.


Conforme informou a Defesa Civil, as famílias que estão saindo da área de risco estão indo para casa de parentes. O nível do rio Madeira atingiu a cota de 16,35 na manhã de ontem.
Ana Costa, moradora do Beco da Rede, disse que acordou na madrugada de ontem (11) com a água dentro de sua casa. Ela ainda informou que vai ficar na casa porque não tem para onde ir.


“Eu estava dormindo e quando acordei a água já tinha invadindo o quarto e estava chegando na cozinha. Nós já fizemos a inscrição para ganhar uma casa da prefeitura, mas até agora não tivemos nenhuma resposta, só promessa, e nós não temos para onde ir”, disse ela, indignada com a situação.


O município, até o momento, não tem um abrigo preparado para atender às famílias que estão em área de risco.



O município ainda não tem um abrigo preparado para receber os desabrigados (Foto: Roni Carvalho – Diário da Amazônia)



BAIXO MADEIRA


De acordo com a presidente da Associação da Comunidade Terra Santa, Lenir Barbosa, os moradores do Baixo Madeira estão muito preocupados com a cheia de 2019. A Associação está chamando os órgãos competentes para conversar e buscar alternativas para apoiar os moradores que vivem no Baixo Madeira. A associação que cuida dos ribeirinhos está fazendo uma relação das famílias que desejam sair de suas residências.


“Eu estive em São Carlos no sábado e o nível do rio está alto, subiu muito. Nós fizemos uma reunião na sexta-feira com a Defesa Civil Estadual e vamos fazer outra reunião no dia 15 para falarmos sobre a situação da cheia. A preocupação nossa é que os moradores sejam pegos de surpresas. A maioria deles perderam tudo na última cheia porque não teve prevenção. Então nós estamos há dois meses trabalhando com a prevenção”, disse Lenir.


A água já está perto do quintal da casa da Rosilene Santos, moradora da comunidade São José, no Baixo Madeira. “O rio está muito cheio. Onde eu moro é baixo e por isso alaga rapidinho. Minha casa todo ano alaga, mas eu não chego a sair de casa porque a água não cobre. A água chega até o meu quintal. Medo eu tenho de ficar lá, mas eu vou para onde? A gente sofre porque a gente perde todas as plantações e os animais começam a entrar em casa com a cheia. Semana passada eu perdi o meu cachorro porque uma cobra picou ele”, relatou Rosilene, moradora do Baixo Madeira.



MAIS FOTOS:


FONTE: Sara Cicera DIÁRIO DA AMAZÔNIA

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium