Sábado, 17 de novembro de 2018
(69) 992851851 - 993838164

26º

Min 23º Max 31º

Trovoadas

Ouro Preto do Oeste - RO

às 21:12
Geral

14/08/2018 ás 19h14 - atualizada em 14/08/2018 ás 20h14

201

Admin

Rondônnia / RO

Pais reclamam de drag queens nas escolas: “Insanidade de gênero”
geral
Pais reclamam de drag queens nas escolas: “Insanidade de gênero”

A presença de drag queens em salas de aula foi faz parte de uma espécie de “movimento” nos Estados Unidos durante o governo Obama para promover a “diversidade”. A ideia se espalhou e já há relatos do mesmo acontecendo no Brasil.


Nos EUA, o “Drag Queen Story Hour” promove ações onde homens vestidos de mulher leem histórias infantis para crianças. Objetivo seria “capturar a imaginação da infância e dar às crianças modelos glamourosos, positivos e diversificados”.


São cerca de 20 cidades promovendo isso atualmente. Na Biblioteca Pública de Boston, as drag queens estavam vestidas como freiras católicas, chamado a si mesmas de “Irmãs da Indulgência Perpétua”.


Robert P. George, professor da Universidade de Princeton, e estudioso do tema, explicou à CBN News que é perigoso usar instituições públicas para promover ideias que desafiam concepções normais sobre gênero.


“Estão mandando uma mensagem sobre o poder”, explicou George. “O grupo em questão, as Irmãs da Indulgência Perpétua, querem mostrar que têm poder para entrar no espaço público, em uma instituição financiada pelo governo e promover essencialmente um catecismo.


Eles criaram esta “nova religião”, baseada no hedonismo e na autorrealização. As Irmãs da Indulgência Perpétua querem espalhar uma religião de licenciosidade.


Recentemente, o pastor David Grisham tentou interromper uma dessas “sessões de leitura” e foi duramente criticado.


Já Elizabeth Johnston, uma conhecida ativista cristã, vem chamando isso tudo de “insanidade de gênero”. “Mães e filhas fazendo a transição para o sexo oposto juntas”, diz ela em um vídeo recente. “Temos rapazes entrando em vestiários de meninas e banheiros e drag queens estão lendo histórias para crianças em bibliotecas públicas, normalizando assim esse comportamento onde homens usam saltos altos, uma peruca, um sutiã e grandes quantidades de maquiagem.”


Drags na TV


Esse tipo de movimento não para por aí. A Netflix planeja estrear um programa de super-heróis que são travestis, chamado “Super drags”. Com estreia mundial no segundo semestre, a série de animação brasileira fez com que a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) se manifestasse formalmente contra o conteúdo, que considera “impróprio” para crianças.


Em nota, os “cerca de 40 mil especialistas na saúde física, mental e emocional que acompanham cerca de 60 de milhões de crianças e adolescentes”, afirmam que é necessário um alerta “para os riscos de se utilizar uma linguagem iminentemente infantil para discutir tópicos próprios do mundo adulto” e chega a pedir que a série não seja exibida.

FONTE: Jarbas Aragão

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium