Sexta, 15 de dezembro de 201715/12/2017
(69) 992851851 - 993838164
Nublado
22º
23º
26º
Ouro Preto do Oeste - RO
Erro ao processar!
Nosso b
BRASIL
DODGE PEDE NOVA PRISÃO DE BARATA E DIZ QUE DECISÃO NÃO CABERIA A GILMAR
Brasil
Admin Rondônnia - RO
Postada em 04/12/2017 ás 18h47 - atualizada em 04/12/2017 ás 20h47
DODGE PEDE NOVA PRISÃO DE BARATA E DIZ QUE DECISÃO NÃO CABERIA A GILMAR

Procuradora-geral da República entrou com agravo regimental no Supremo contra a decisão monocrática do ministro Gilmar Mendes, que revogou a prisão preventiva do empresário Jacob Barata Filho pela terceira vez na última sexta-feira 1º; Raquel Dodge pede a restauração da prisão preventiva e alega incompetência de Gilmar para apreciar o pedido de habeas corpus; segundo ela, a decisão caberia ao ministro Dias Toffoli


Da PGR - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entrou nesta segunda-feira (4) com agravo regimental, no Supremo Tribunal Federal (STF), contra a decisão monocrática do ministro Gilmar Mendes, que revogou a prisão preventiva do empresário Jacob Barata Filho, decretada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2).


Na mesma peça, a PGR também pede a restauração da prisão preventiva substitutiva do empresário, decretada pela 7a Vara Federal do Rio de Janeiro. Dodge alega incompetência de Mendes para apreciar o pedido de habeas corpus (HC). A incompetência do ministro verifica-se pelo fato de HC anterior ter sido distribuído, aleatoriamente, no STF, para o ministro Dias Toffoli. No dia 27 de novembro, Toffoli negou o pedido e abriu vista à PGR.


No agravo, a procuradora-geral justifica que, por prevenção, a competência para processar e julgar eventuais pedidos relacionados à Operação Cadeia Velha, incluindo as prisões preventivas correspondentes, é do ministro Dias Toffoli. Foi em decorrência do critério da prevenção que Dias Toffoli julgou e indeferiu os HCs impetrados pelas defesas dos deputados estaduais Jorge Picciani e Paulo Melo, presos na mesma operação.


Para a PGR, ao conhecer e apreciar petição impetrada pela defesa de Jacob Barata, o ministro Gilmar Mendes, “além de agir despido de competência para tanto, afrontou a competência do Ministro Dias Toffoli para fazê-lo, em clara ofensa à regra do juiz natural”.


O agravo menciona, ainda, o fato de o empresário ter descumprido medidas cautelares diversas da prisão, impostas a ele pelo STF, em outro HC que permitiu que ele deixasse a cadeia. A decisão o proibia de administrar suas empresas de transporte de passageiros, mas ele se manteve à frente dos negócios.

Íntegra do agravo HC

FONTE: brasil247
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
imprimir
1.151

Publicidade

Facebook

Publicidade

Publicidade

Restaurante

Publicidade

Enquete
Se as eleições presidenciais do Brasil fossem hoje, em quem você votaria?

Jair Bolsonaro
671 votos - 67.9%

Lula
208 votos - 21.1%

Marina Silva
67 votos - 6.8%

Aécio Neves
21 votos - 2.1%

Michel Temer
21 votos - 2.1%

© Copyright 2017 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium