Terça, 18 de dezembro de 2018
(69) 992851851 - 993838164

27º

Min 21º Max 28º

Trovoadas

Ouro Preto do Oeste - RO

às 15:49
Saúde

07/02/2017 ás 08h40 - atualizada em 07/02/2017 ás 10h40

1.362

Admin

Rondônnia / RO

Setor de saúde alerta para importância do tratamento da sífilis em gestantes
Em Cacoal (RO), existem sete mulheres grávidas em acompanhamento. Doença tem cura, mas é necessário que tratamento seja concluído
Setor de saúde alerta para importância do tratamento da sífilis em gestantes

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) de Cacoal (RO), a 480 quilômetros de Porto Velho, alerta a população para a importância do tratamento da sífilis durante a gravidez. Conforme o setor de saúde, mulheres diagnosticadas com a doença sexualmente transmissível podem sofrer aborto ou ter má formação do feto. Contudo, no município, existem algumas gestantes que não concluem o acompanhamento necessário.



Em Cacoal, todo mês chegam ao Serviço de Atendimento Especializado de tratamento de hepatites virais, sífilis e do vírus HIV (SAE) novos casos de sífilis em gestantes. Atualmente, são cerca de sete grávidas em tratamento.



Segunda a enfermeira do SAE, Neuza Amaral, o tratamento é fácil e gratuito na rede pública, mas, apesar de todas as vantagens, existem mulheres grávidas que não concluem o tratamento ou o acompanhamento que deve ser feito mesmo após o nascimento da criança.



medicamento também é garantido para o parceiro da gestante, evitando que ela volte a se contaminar com a doença (Foto: Rede Amazônica/Reprodução)Medicamento também é garantido para o parceiro

da gestante (Foto: Rede Amazônica/Reprodução)



"A sífilis é uma doença sexualmente transmissível que também pode ser transmitida da mãe para o bebê durante a gravidez. A sífilis congênita está acontecendo por falha no pré-natal tanto da paciente, quanto do parceiro, e este acompanhamento deve feito mesmo após o nascimento do bebê", explica a enfermeira.



A falta de adesão ao tratamento preocupa o setor de saúde, porque se a doença não for tratada durante a gestação pode ser transmitida ao bebê e causar diversos problemas, entre eles cegueira e surdez. "Na gestante a doença pode causar aborto ou má formação do bebê. O diagnóstico é feito por meio do teste rápido e o tratamento é simples", garante Neuza.



Quando tratada devidamente, a sífilis não é transmitida aos bebês. No entanto, Neuza adverte: "Quanto mais recente é a infecção da gestante, maior é o risco de ser passada para o bebê. O diagnóstico deve ser feito o mais rápido possível e o tratamento também".



Além de provocar abortos e a morte de bebês, crianças nascidas com sífilis e não tratadas podem desenvolver vários problemas, em especial nos dois primeiros anos de vida. Entre eles, estão atrasos no sistema neuropsicomotor, alteração do formato das pernas e do crânio, surdez, dentes malformados e lesões no fígado e no baço.



Por isso, o medicamento também é garantido para o parceiro da gestante, evitando que ela volte a se contaminar com a doença. "Não só as gestantes, mas os parceiros delas devem ser tratados para evitar uma nova infecção", afirma.


FONTE: G1 Cacoal e Zona da Mata

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium